Neste post de hoje vamos buscar explorar toda a ficção que as obras de J Verne nos presenteiam.

Verne é considerado o inventor (ou pai) da ficção científica (um dos subgêneros da Literatura Fantástica).  Nascido em 1828, na francesa Nantes, Júlio se enveredou pelos caminhos da escrita ao conhecer grandes nomes da época, tais como Alexandre Dumas e Victor Hugo.  Sua primeira novela “Cinco semanas em um balão” foi um grande sucesso, o lançou para o mundo e garantiu suporte financeiro.  Com lançamentos – praticamente anuais – Verne deu ao mercado e a sua grande legião de leitores as experiências mais inusitadas e carregadas de emoção e fantasia.  “Viagem ao Centro da Terra” e “Vinte mil léguas submarinas” são grandes exemplos.  Nestas obras, Júlio anteviu grandes avanços científicos – tais como viagens ao espaço, os submarinos e as grandes “máquinas voadoras”.

Mas como ele poderia saber tanto sobre ciência, a ponto de prever diversas invenções que só viriam a se concretizar no futuro? Uma boa dose de pesquisa e muita imaginação.  Assim, criou historias cheias de detalhes e que pareciam reais (envolviam completamente seus leitores). Fora isso, conseguiu retratar perfeitamente a época em que viveu.

J Verne é tido, por alguns, como um profeta tal a quantidade de coisas que surgiram após suas obras.  Veja só:

No seu romance “Da Terra à Lua”, ele descreveu uma viagem ao satélite da Terra, prevendo um meio de transporte semelhante aos foguetes, antecipando em décadas estes fatos que se materializaram muito depois. No século XIX, uma viagem à Lua era considerada um absurdo e a verdade é que ainda hoje existem pessoas que duvidam que isto tenha acontecido.

Já no romance “Paris do Século XX”, ele descreveu a ditadura do dinheiro e da tecnologia na sociedade, prevendo a invenção do fax, de um trem que viajaria debaixo da Terra (antecipando o metro), o correio eletrônico, Internet, helicópteros, mísseis dirigidos, ar condicionado etc.

Uma curiosidade: Seu amigo e editor, Jules Hetzel, não concordou com a publicação deste livro porque ele continha coisas muito absurdas e extraordinárias. O livro só foi publicado muito depois da morte de Júlio Verne, já que um neto seu encontrou os manuscritos que estavam guardados em sua casa, e constatou sua atualidade.

Em “Vinte Mil Léguas Submarinas”, ele descreve um submarino (o Nautilus) que se assemelha a um submarino atômico, que foi criado somente em 1955 pelos Estados Unidos.

Podemos citar, também, que ele antecipou que as grandes cidades do futuro seriam iluminadas por luzes elétricas. Há elementos sobre agricultura submarina e que a eletricidade poderia ser produzida por correntes marinhas.  Uma coisa de louco.  Ahh! Ele foi chamado diversas vezes disto.

BlogJulioVerne547

Vale uma leitura, buscando entender a mensagem do escritor, que escreveu mais de setenta livros e teve traduções em mais de cento e quarenta línguas.

Base da informação do post:

http://pt.wikipedia.org/wiki/Júlio_Verne

http://pt.wikipedia.org/wiki/Literatura_fantastica

http://chc.cienciahoje.uol.com.br/julio-verne-um-escritor-apaixonado-pela-ciencia/

http://www.oconsolador.com.br/4/washington.html

http://listasliterarias.blogspot.com.br/2011/02/10-grandes-livros-de-julio-verne-para.html

https://fanrol.wordpress.com/2014/01/17/campeones-de-verne-juego-de-rol-diferente-y-un-proyecto-interesante/

http://www.portaldaliteratura.com/autores.php?autor=403

https://jotacortizo.files.wordpress.com/2015/02/60236-blogjulioverne547.jpg

Abraços a todos, e até o próximo post.

Jota Cortizo

Anúncios